Conheça os filmes selecionados para o 46º Festival de Cinema de Gramado

O Festival de Cinema de Gramado divulgou, na manhã desta terça-feira, os filmes selecionados para sua 46ª edição, que ocorre entre os dias 17 e 25 de agosto na Serra gaúcha. Neste ano, o evento teve 665 inscritos, considerando longas e curtas metragens. Parte dos curtas que vão disputar o Kikito havia sido revelada na semana passada.

Entre os longas, as mostras competitivas apresentam nove brasileiros e cinco estrangeiros, todos inéditos no circuito nacional. Segundo Rubens Ewald Filho, o painel reflete a fiel representação da confiança que a curadoria – formada por ele, Marcos Santuario e a argentina Eva Piwowarski – conquistou nos últimos anos. “Hoje o trabalho mais difícil é encontrar espaço para contemplar produções tão diversas e de qualidade”, comentou o curador.

Marcos Santuario destacou que as produções selecionadas são um “panorama contemporâneo que contempla tanto o cinema de nomes reconhecidos quanto o de revelações e que consegue transitar por diferentes gêneros, com obras tão plurais quanto os cinemas que elas representam”. Sobre os títulos brasileiros especificamente, o curador ressaltou: “São filmes que estão representando a América Latina nos festivais do mundo. É uma forma de abrir a janela brasileira para que sejam conhecidos. Esta foi a qualidade que eles apresentaram”.

Além da lista completa de filmes, o 46º Festival de Gramado também já revelou alguns de seus homenageados. O Troféu Eduardo Abelin, distinção que destaca a trajetória e a contribuição de diretores brasileiros, será entregue ao animador Carlos Saldanha, indicado duas vezes ao Oscar. Já o Troféu Cidade de Gramado, honraria dada a atores que possuem ligação com a história da cidade, será do ator Ney Latorraca. O Oscarito e o Kikito de Cristal ainda não foram anunciados.

Em 2018, o Gramado Film Market, focado na discussão e na reflexão de pontos cruciais da atividade audiovisual, no gargalo de escoamento e nas parcerias nacionais e internacionais, vai se concentrar em três frentes de discussão: plataformas de exibição, internacionalização de conteúdos ibero-americanos e no futuro das salas de exibição. Já o país homenageado será a Itália, que marcará presença compartilhando tendências, novidades e reflexões de suas produções e exibições cinematográficas. A abertura do festival ficará com “O Grande Circo Místico”, de Cacá Diegues.

Confira a lista completa de indicados:

Longas-metragens brasileiros

– “10 Segundos Para Vencer” (RJ), de José Alvarenga Jr.

– “O Banquete” (SP), de Daniela Thomas

– “Benzinho” (RJ), de Gustavo Pizzi

– “A Cidade dos Piratas” (RS), de Otto Guerra

– “Correndo Atrás” (RJ), de Jeferson De

– “Ferrugem” (PR), de Aly Muritiba

– “Mormaço” (RJ), de Marina Meliande

– “Simonal” (RJ), de Leonardo Domingues

– “A Voz do Silêncio” (SP), de André Ristum

Longas-metragens estrangeiros

– “Averno” (Bolívia/Uruguai), de Marcos Loayza

– “Las Herederas” (Paraguai/Brasil/Uruguai/França/Alemanha), de Marcelo Martinessi

– “Mi Mundial” (Uruguai/Argentina/Brasil), de Carlos Morelli

– “Recreo” (Argentina), de Hernán Guerschuny e Jazmín Stuart

– “Violeta al Fin” (Costa Rica/México), de Hilda Hidalgo

Curtas-metragens brasileiros

– “À Tona” (DF), de Daniella Cronemberger

– “Apenas o Que Você Precisa Saber Sobre Mim” (SC), de Maria Augusta V. Nunes

– “Aquarela” (MA), de Thiago Kistenmacker e Al Danuzio

– “Catadora de Gente” (RS), de Mirela Kruel

– “Estamos Todos Aqui” (SP), de Chico Santos e Rafael Mellim

– “Um Filme de Baixo Orçamento” (SP), de Paulo Leierer

– “Guaxuma” (PE), de Nara Normande

– “Kairo” (SP), de Fabio Rodrigo

– “Majur” (MT), de Rafael Irineu

– “Minha Mãe, Minha Filha” (SP), de Alexandre Estevanato

– “Nova Iorque” (PE), de Leo Tabosa

– “Plantae” (RJ), de Guilherme Gehr

– “A Retirada Para Um Coração Bruto” (MG), de Marco Antonio Pereira

– “Torre” (SP), de Nádia Mangolini

Curtas-metragens gaúchos – Premiação Assembleia Legislativa

– “À Sombra” (Canoas), de Felipe Iesbick

– “O Abismo” (Sapucaia do Sul), de Lucas Reis

– “Antes do Lembrar” (Porto Alegre), de Luciana Mazeto e Vinícius Lopes

– “Coágulo” (São Leopoldo), de Jéssica Gonzatto

– “O Comedor de Sementes” (São Leopoldo), de Victoria Farina

– “Um Corpo Feminino” (Porto Alegre), de Thais Fernandes

– “Entre Sós” (Porto Alegre), de Caetano Salerno

– “Fè Mye Talè” (Encantado), de Henrique Both Lahude

– “A Formidável Fabriqueta de Sonhos Menina Betina” (Pelotas), de Tiago Ribeiro

– “Gasparotto” (Porto Alegre), de Zeca Brito

– “Grito” (Santa Maria), de Luiz Alberto Cassol

– “Maçãs em Fogo” (Porto Alegre), de Bruno de Oliveira

– “Movimento à Margem” (Porto Alegre), de Lícia Arosteguy e Lucas Tergolina

– “Mulher Ltda” (Canoas), de Taísa Ennes

– “Nós Montanha” (Porto Alegre), de Gabriel Motta

– “Pelos Velhos Tempos” (Porto Alegre), de Ulisses da Motta

– “Sem Abrigo” (Porto Alegre), de Leonardo Remor

– “Subtexto” (Caxias do Sul), de Cristian Beltrán

– “Vinil” (Porto Alegre), de Catherine Silveira de Vargas e Valentina Peroni Freire Barata

– “O Viúvo” (Porto Alegre), de Luiz Carlos Wolf Chemale

Você pode gostar...