Indústria 4.0 movimentará US$ 13 trilhões e demandará mais esforços brasileiros

A Internet Industrial deverá movimentar investimento na casa dos US$ 500 bilhões até 2020, cifra que aumentará para US$ 13 trilhões em 2030. Os números são de uma pesquisa da Accenture e, conforme o levantamento, se devem a benefícios apontados para esta tendência, como o fato de poder alavancar a produtividade das empresas em até 30%.

Globalmente, alguns países vêm se destacando nesta tendência, que é um dos principais componentes da chamada Indústria 4.0. Caso da Alemanha, onde há em torno de 300 robôs para cada 10 mil trabalhadores, segundo aponta José Rizzo, fundador e diretor-presidente da Pollux Automation, empresa dedicada ao aumento de competividade da indústria por meio do uso de tecnologias avançadas para automação, tais como robótica e sistemas de internet industrial.

O especialista, que também é presidente da Associação Brasileira de Internet Industrial (ABII) e membro do Internet Industrial Consortium, também ressalta que o Japão é o grande destaque destes segmento, com média de 500 robôs para cada 10 mil trabalhadores industriais.

“No Brasil, temos cerca de 10 robôs para cada 10 mil trabalhadores”, informa o gestor. “Para tirar essa defasagem, teríamos de instalar 200 mil robôs, e, nos últimos anos, viemos instalando só uma média de 1.500 por ano no país”, analisa. Rizzo tratará do tema na palestra “A Internet Industrial Avança no Brasil”, que acontece em Porto Alegre-RS na próxima sexta—feira, 29/06, durante o Mesas TI, evento realizado pelo SEPRORGS.

Na palestra, o especialista apresentará os principais pilares da Internet Industrial, a definição da Indústria 4.0, o cenário brasileiro para a transformação digital e os incrementos tecnológicos para a automação e aumento da competividade, entre outros pontos relevantes.

Ele explica que a Industria 4.0 nasceu para aumentar o valor do produto e do serviço por meio da digitalização da fábrica. Para que todo modelo existente na planta física também seja ofertada no formato digital: digital twins. “Isso propõe uma serie de simulações baratas, rápidas e fáceis de testar, antes de colocar em produção”, ressalta.

A conectividade na fábrica, entre fornecedores e clientes também é um processo da Indústria 4.0. “Utilizamos sensores que conseguem gerar dados facilmente acessados de qualquer lugar do mundo”. É neste caminho que está a Internet industrial, que faz uso da tecnologia e torna a fábrica mais flexível, com produtos customizados, mais próximos das pessoas. “Aqui não é só manufatura, também funciona em áreas como a de energia, saúde, e agronegócio, tem um escopo maior”, ressalta o empresário.

No entanto, essas duas tendências chegaram ao Brasil sob um ambiente crítico para investimentos, o que dificulta o desenvolvimento dessas ações. Segundo Rizzo, 40% das empresas brasileiras podem quebrar por serem surpreendidas com novos modelos de negócio, por não terem agido e se adaptado a tempo.
“Automação é competitividade na veia. Ela reduz custo da operação, aumenta produtividade e melhora a qualidade do produto”, destaca.

O vice-presidente e diretor de Marketing do SEPRORGS, Donald Reis, enfatiza que o tema desta edição do Mesas TI é de suma relevância para o desenvolvimento do mercado e para o incentivo às empresas em um momento crítico para o país.

“Temos uma enorme preocupação em manter os conteúdos do Mesas TI conectados àquilo que seja up to date para o empreendedorismo ligado à economia digital. Mais uma vez, fomos felizes na escolha do próximo palestrante. Precisamos seguir com esta relevância, com esta insistência em trazer os principais temas da economia, mercado e sociedade para o evento, porque é uma plataforma de fomento aos negócios, que não podem parar nem mesmo em momentos como aqueles em que enfrentamos dificuldades sérias, como o cerceamento de nosso direito de ir e vir nos”, salienta Reis.

José Rizzo é fundador e diretor-presidente da Pollux Automation, empresa dedica ao aumento de competividade da indústria por meio do uso de tecnologias avançadas para automação, tais como robótica e sistemas de internet industrial. O empresário também é membro ativo do Internet Industrial Consortium – IIC e palestrante frequente em universidades e entidades, tais como SAE Brasil, VDI e EFAC (Europe Factory Automation Committee). O Mesas TI de junho tem o patrocínio gold de DBC e 2Cloud; silver de Dinamize e bronze de Consulpaz, Dynamica Consultoria, Gruppen, Positivo, RCA Digital, TDec e Zero-Defect. O apoio é da Postmetria.

Você também poderá gostar...