Ação da gestão Doria na ‘cracolândia’ em São Paulo merece elogios

DORIA TEM RAZÃO!

No coração da maior cidade do Brasil, ocorreu uma mudança emblemática para o país. Acabou a maior das “cracolândias”, que reunia, num determinado espaço, milhares de pessoas para consumir crack e outras drogas de forma acintosa e descontrolada, vivendo em condições sub-humanas, escravizadas pela dependência química e pelos traficantes.

A “cracolândia” paulistana sempre foi a ponta do iceberg, a parte mais visível para a sociedade, de um consumo crescente, desenfreado, epidêmico, de drogas em todo o Brasil, que ajuda a aumentar a violência e os índices de mortalidade de jovens a cada ano. A polêmica criada em função da forma de atendimento e tratamento da população que lá estava é resquício de décadas de omissão e de “experimentos” malsucedidos de atenção ao grave problema.

Correntes filosóficas, sem base científica, alicerçam concepções ideológicas que preponderaram por muitos anos nas políticas públicas de saúde mental, influenciando inclusive teses na área social e no direito. Tal visão distorcida ajudou a nos levar para essa situação grave de epidemia, com a propagação de “cracolândias” e da violência em todo o país. Segundo relatório do Observatório do Crack da Confederação Nacional dos Municípios, a droga hoje está disseminada praticamente em todos os municípios brasileiros, inclusive nas áreas rurais e tribos indígenas.

Nova York também teve sua “cracolândia” nas décadas de 80/90. Uma situação semelhante a São Paulo e que só foi vencida com a política de tolerância zero do então prefeito Rudolph W. Giuliani. Hoje, Nova York está livre das “cracolândias”, tem 6 vezes menos dependentes do crack e reduziu em 80% o número de homicídios/ano em relação ao que tinha naqueles anos.

É preciso elogiar a atitude firme e corajosa do prefeito João Doria e do governador Geraldo Alckmin nas últimas ações. E apoiar, como vem fazendo o governo federal, já que se trata de um problema social gravíssimo. Essas ações facilitam a abordagem aos dependentes químicos que de lá estão saindo para iniciar seu processo de reabilitação.

Tem razão a gestão Doria quando defende que a internação compulsória é necessária nos casos mais graves. O crack age com muita rapidez e intensidade dentro do cérebro, estimulando quimicamente a formação de novas conexões entre os neurônios de centros nervosos responsáveis por instintos básicos, como o de sobrevivência. Com essas novas redes neuronais, se estabelece um circuito específico de memória, que permanecerá toda a vida. É a base funcional da dependência química.

Cada vez que algo lembrar a sensação ou o ambiente de uso da droga, poderá desencadear um forte desejo, de difícil controle, e a recaída é a probabilidade maior. A reabilitação de dependentes químicos necessita de tratamento complexo e prolongado, de preferência, longe dos locais de uso. E para iniciar essa reabilitação o primeiro passo é diminuir a confusão mental causada pela droga, daí a necessidade da desintoxicação. Sob efeito do crack, a maioria dos usuários tem enorme dificuldade de entender o que está acontecendo com ele mesmo, muito menos de compreender a necessidade do tratamento.

A desintoxicação ocorre em média num período de 15 a 30 dias, se possível em ambiente hospitalar. Depois é mais fácil o usuário entender sua situação e querer se tratar. E é só nessa fase mais aguda de intoxicação e, nos casos mais graves, que é proposta a internação compulsória. Os que são contra essa proposta propõe alternativas que pouco ou nada resolveram até hoje. Defendem deixar como está, cuidando só da redução de danos. As famílias de usuários sabem bem as consequências nefastas disso.

Pelas alterações cerebrais que a determina, a dependência química vira doença crônica, incurável e de difícil tratamento. A chance de ficar sem usar a droga por longos períodos é bem maior com a desintoxicação e internação compulsória, quando necessária, do que só com o tratamento de redução de danos como propõe os críticos de plantão. A intervenção na “cracolândia” inicia um novo ciclo de compreensão e ação em defesa dos mais vulneráveis e de proteção a toda sociedade. Parabéns, São Paulo!

Você também poderá gostar...