TAURUS: GX4 GRAF É A PRIMEIRA PISTOLA DE GRAFENO CERTIFICADA

A Taurus Armas alcançou um grande feito tecnológico na indústria de armamentos, a certificação da GX4 GRAF, a primeira arma no mundo com grafeno na composição de seus componentes injetados e no tratamento superficial das peças metálicas. A empresa responsável pela histórica certificação foi a T&A Brasil, que também foi o primeiro Organismo de Certificação de Produto (OCP) privado no Brasil, sendo após designada para exercer, em nome da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército (DFPC/EB), as funções de Organismo de Certificação Designado (OCD).

Para marcar o feito inédito, Fabio Sianga Neto, Gerente Geral da T&A Brasil, entregou uma placa comemorativa ao CEO Global da Taurus, Salesio Nuhs, e a seu Gerente de Engenharia, Jean Castanho. Com o nome técnico de GX4 M9 SR T.O.R.O. GRAF, a pistola micro compacta GX4 é a primeira arma no mundo a ter essa revolucionária e disruptiva tecnologia, caracterizando um grande e inédito feito da indústria brasileira no mercado de armamento leve.

O desenvolvimento da nova tecnologia foi realizado pelo CITE – Centro Integrado de Tecnologia e Engenharia BR/EUA da Taurus juntamente com a UCSGraphene, no bojo do convênio oficializado no dia 30 de junho com a Universidade de Caxias do Sul (UCS) para realizar pesquisa e desenvolvimento de armamentos com grafeno. Por ser uma tecnologia disruptiva, o grafeno tende a competir com tecnologias existentes e substituir materiais com décadas de uso. Suas aplicações permitem desenvolver produtos mais leves e com alta resistência mecânica.

O uso do grafeno proporciona um melhor desempenho contra oxidação, evitando assim a corrosão e aumentando a vida útil, bem como potencializa as propriedades mecânicas, como resistência ao impacto e dissipação de calor, além de reduzir o peso da arma. Tais características, aliadas à concepção moderna da GX4 e uso de protocolo militar na fabricação são diferenciais inovadores.

Segundo a Engenharia da Taurus Armas, o tratamento com grafeno tem um ínfimo impacto no custo e agrega um alto valor ao produto. A utilização do grafeno na produção de armas de fogo será uma revolução neste mercado. “O desenvolvimento de aplicações de grafeno nas armas de fogo será um divisor, um fato muito relevante para o mercado mundial de armas curtas. O principal pilar estratégico da Taurus é a pesquisa, desenvolvimento e inovação. Neste sentido, um dos grandes diferenciais é o nosso Centro Integrado de Tecnologia e Engenharia (CITE), que possibilita à empresa ter agilidade no desenvolvimento de produtos e tecnologia, sempre com foco nos desejos dos clientes e em linha com as mais avançadas soluções tecnológicas do mundo. A aplicação do grafeno elevará ainda mais a qualidade e a eficiência na fabricação dos nossos produtos”, afirmou Salesio Nuhs, CEO da empresa.

De acordo com o coordenador da UCS Graphene, professor Diego Piazza, o grafeno é o futuro para inúmeras áreas, incluindo a indústria de armas. “Armamentos contendo grafeno em sua composição são mais leves e resistentes. Essa parceria da UCS com a Taurus abre portas para a pesquisa e fabricação de produtos muito mais modernos e tecnológicos”, pontua Piazza. O lançamento da nova GX4 com grafeno, já na versão T.O.R.O. (pronta para a óptica), está previsto para janeiro de 2022.

Somente duas fabricantes de armas têm tecnologia Metal Injection Molding (MIM) no mundo, e a Taurus é a única abaixo do Equador. Numa arma curta moderna existem cerca de 14 peças fabricadas pelo processo MIM e a empresa brasileira, na atualidade, fabrica mais de 80 mil dessas peças por dia. A sede da empresa, em São Leopoldo, com seus três fornos MIM, é responsável pela distribuição de peças MIM para todas as unidades produtivas da empresa no Brasil, nos Estados Unidos e na Índia.

A tecnologia MIM permite a produção de peças de geometria complexa, com baixo custo e alto volume, dispensando a necessidade de fornecedores externos, utilizados pela maioria dos fabricantes de armas, com grande vantagem sobre processos tradicionais, como microfusão e usinagem. Esta tecnologia de alta performance une a resistência mecânica dos metais com a versatilidade de forma dos polímeros, a partir da injeção dos componentes, com posterior processo térmico de remoção dos polímeros e sinterização.

O grande “call” da Engenharia de Produto da Taurus foi casar esse processo produtivo e seus polímeros especiais com o material Grafeno sem a necessidade de nenhuma modificação nos fornos contínuos ou maquinário de impressão 3D, agregando valor aos novos produtos que irão receber esse material, caso da pistola GX4, e sem gerar novos custos de produção.

INFODEFENSA

 

Você pode gostar...