Volkswagen confirma T-Cross para o segundo semestre de 2018

A Volkswagen confirmou oficialmente a produção do novo T-Cross no Brasil. O SUV será fabricado em São José dos Pinhais, no Paraná, e concorrerá com Honda HR-V, Hyundai Creta, Jeep Renegade e por aí vai. O preço inicial deve ficar perto dos R$ 90 mil. O modelo foi flagrado com exclusividade por Autoesporte na fábrica da Via Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP).

Como ocorreu com o Virtus, o crossover compacto não terá opção de motor 1.0 aspirado, apenas os conhecidos 1.6 16V de 117 cv e 16,5 kgfm com etanol e o 1.0 TSI de 128 cv e 20,4 kgfm, ambos associados ao câmbio manual de cinco marchas ou automático de seis velocidades. Não sabemos se a tração 4X4 que será oferecida na Europa também dará as caras por aqui.

O comprimento será maior do que do hatch que lhe emprestou a base. Os 4,05 metros totais do Polo serão ampliados a algo próximo dos 4,13 metros do conceito T-Cross Breeze, apresentado em 2016. Talvez um pouco mais. Caso siga as dimensões do já apresentado Seat Arona, o primeiro crossover do grupo Volkswagen baseado sobre a base MQB A0, o T-Cross deve ter 2,56 metros de entre-eixos, quase o mesmo do Polo.

São basicamente as mesmas dimensões do já apresentado Seat Arona, cujo entre-eixos é apenas 2 milímetros maior que o do Polo, com 2,56 metros. Segundo fontes ligadas ao fabricante, somente o Virtus extrapolou (e muito) a medida de entre-eixos na nova linha de compactos, algo esperado em um sedã pensado para dar maior conforto aos passageiros traseiros.

O novo presidente da montadora para o Brasil, o argentino Pablo Di Si, também afirmou que o projeto da picape está “bem avançado”. Revelada por Autoesporte, nova picape média da Volkswagen ficará entre a Renault Oroch e a Fiat Toro. “Estamos bem avançados com a picape, este é um segmento muito importante para nós, mas não é hora de nenhum anúncio”, afirmou.

A picape vai usar componentes do SUV Tharu, com o qual deve compartilhar a linha de produção na fábrica de Pacheco, Argentina. Para tal, a fábrica recebeu US$ 650 milhões de investimentos nesta semana. A plataforma será a MQB A1, a mesma do Golf Variant, que serve de mula para os novos projetos. Podemos apostar em algumas similaridades visuais entre o SUV médio e a picape, mas ambos serão lançados somente em 2020.

E o T-Roc, apresentado em Frankfurt?
Em entrevista à Autoesporte, David Powels, ex-CEO da montadora para o Brasil, descartou o T-Roc europeu. O motivo? Um tamanho muito parecido ao T-Cross. O T-Roc terá mercado mais forte na Europa e na China.

Você pode gostar...